AÇÕES

Jovens Comunicadores

O grupo Jovens Comunicadores é uma ação de comunicação popular voltada para as comunidades e favelas para fomentar o acesso a informações sobre direitos, saúde e prevenção ao COVID-19, com o apoio de diversas organizações sociais, universidade pública e governo municipal.

O coletivo é formado por jovens moradores de comunidades vulneráveis de Niterói e São Gonçalo, Maricá e Itaboraí, que utilizam a comunicação e as tecnologias da informação como ferramentas de intervenção social. Em 2020, 500 jovens passaram pelo processo formativo. Em 2021, mais de 400 jovens também participaram da ação com o Jovens Comunicadores.

O projeto é uma ação conjunta das seguintes organizações: BemTV, IJCA, FIOCRUZ, Intervozes, Orquestra de Cordas da Grota, “Ainda não pensei” – Jornal do Preventório, Saúde Coletiva – UFF, Comunicação – UFF e Secretaria Municipal de Niterói. (inserir outros parceiros/apoiadores).

Agência Popular Jovens Comunicadores

Desdobramento da ação de formação da rede de comunicação Jovens Comunicadores, iniciada em abril de 2020 como estratégia de manutenção de vínculo, garantia de renda e promoção da saúde durante a pandemia, a Agência Popular Jovens Comunicadores trabalha conhecimentos técnicos e conceituais básicos da área de comunicação com direitos e mobilização social. Tudo feito pela juventude!

A Agência é composta por um grupo fixo de jovens que produzem conteúdos sobre os seus territórios. Hoje, a Agência produz conteúdo para listas de transmissão das comunidades, para redes sociais e ainda tem parceria com o site A seguir, ampliando nossas vozes para toda cidade. Vem conferir quem faz parte da Agência e os conteúdos publicados pelos jovens.

Equipe
Ponto Vivo – a memória e o olhar da cultura viva comunitária

Em 2018, como desdobramento dessa ação, o trabalho da BemTv é reconhecido pela Secretaria Municipal de Cultura e Ministério da Cultura como Ponto de Cultura com o projeto Ponto Vivo, no contexto da Lei Federal de Cultura Viva.

A Bem TV atua há mais de 25 anos em Niterói, democratizando através de atividades culturais sempre gratuitas, o acesso de diferentes grupos e indivíduos às tecnologias que lhes permitem registrar e contar suas histórias, numa clara confluência com os objetivos da Política Nacional de Cultura Viva.

Integrando territórios

O Ponto de Cultura materializa um importante desdobramento desse trabalho, ao possibilitar a jovens das comunidades em que o projeto já atuou, o conhecimento técnico para desenvolver um aplicativo mobile com informações sobre as favelas da cidade, sua história, localização, imagens e vocações.

Ao benefício individual dos jovens participantes se somam resultados coletivos. A disseminação das informações sobre comunidades populares apresentará tais territórios sob uma perspectiva distinta daquela que costuma pautar a mídia tradicional.

O Ponto Vivo contribui para a integração desses territórios à cidade, reduzindo a discriminação que incide sobre suas populações.

Olho vivo

O projeto Olho Vivo funciona, desde 2003, atendendo adolescentes e jovens de comunidades de baixa renda de mais de 15 territórios de Niterói e São Gonçalo.

O trabalho realizado articula oficinas de mídia nas áreas de audiovisual, fotografia, mídias digitais e aplicativos com a assessoria a grupos de egressos das oficinas, que desenvolvem ações de comunicação comunitária nos territórios onde vivem.

Uma ação reconhecida e premiada pelo seu impacto e abrangência

O Olho Vivo foi vencedor nacional do Prêmio Itaú UNICEF em 2007 e 2017 (categoria médio porte), e semifinalista do Prêmio Cultura Viva em 2007, 2009 e 2010.

O projeto já teve o apoio do BNDES, Instituto C&A, Secretaria Municipal de Assistência Social de Niterói, Criança Esperança, Fundação ABRINQ, Oi Futuro, Brazil Foundation, FIES Social, Fundação de Arte de Niterói, Secretaria Municipal de Educação de São Gonçalo e Petrobrás.

CSO: Central Solidária de Oportunidades

A Central Solidária de Oportunidades é um sistema que articula os interesses de jovens de classe popular, de empresários e das organizações da sociedade civil que trabalham com juventudes nos municípios de Niterói e São Gonçalo. Trata-se de uma iniciativa que busca identificar as possibilidades de troca e colaboração que existem entre esses atores, dentro do mercado de tecnologias de informação e comunicação.

Jovens das classes populares precisam de trabalho, empresários precisam de recursos humanos tecnicamente qualificados e organizações da sociedade civil, que capacitam jovens de classes populares, precisam potencializar os resultados da sua atuação. A questão é que muitas vezes esses atores não estão articulados numa mesma rede de relações e é essa a lacuna que a Central Solidária de Oportunidades pretende preencher.

O ponto de partida é um cadastro de jovens egressos ou participantes de processos formativos, na área de comunicação, desenvolvidos em Niterói e São Gonçalo por instituições públicas e privadas. De outro lado, serão contatadas também empresas dos dois municípios dispostas a ofertar vagas de estágio, emprego ou prestação de serviço a jovens previamente capacitados. A partir de um sistema desenvolvido para este fim, será possível cruzar as demandas dos jovens, por trabalho, com a demanda dos empresários, por recursos humanos.

A expectativa é que essa experiência se torne uma referência para as instâncias formuladoras de política públicas dos dois municípios (Niterói e São Gonçalo), visando o desenvolvimento de programas que ampliem as perspectivas de empregabilidade dos jovens desse território. Para isso, a Bem TV busca também fortalecer instâncias como os Fóruns Municipais de Juventudes e Conselhos Municipais de Juventudes de Niterói e São Gonçalo.